9 de dez de 2012

Casa do Vazio

Kash arrumava sua casa frenéticamente. Morava com seu gato, seus móveis, seus quadros e seus cômodos. Era engraçado como Kash gastava horas arrumando sua casa, deixando-a impecavelmente limpa, organizada e perfeita. O grande problema era que ele não tinha ninguém pra visitar a casa dele.
_Oi Zarolho, você veio visitar minha casa hoje é seu bobinho? - disse Kash esfregando a mão na cabeça do seu gato.
O gato fechou os olhos, se esfregou nas pernas dele e foi se enroscar no sofá.
_Zarolho, eu sinto que hoje alguém vem visitar a gente! - disse entusiasmado, mas o gato estava em outro mundo.
Kash passou o dia vendo televisão, organizando o organizado e olhando para a porta, esperançoso. Ninguém sequer bateu na porta. Então ele decidiu que a primeira coisa que faria no outro dia seria passear pelo parque da cidade para respirar o ar nem tão puro da metrópole.
Acordou, arrumou sua cama, fez carinho em Zarolho e abriu a porta de casa. O mundo parecia tão bagunçado lá fora. Ele tinha medo de pisar do outro lado porque achava que a bagunça do dia-a-dia destruíria seu controle sobre as coisas e seu jeito de ser. Zarolho passou entre suas pernas e pulou na rua como se fosse a coisa mais simples a se fazer. Virou-se e olhou para Kash, como se estivesse o chamando.
_Não, Zarolho! É difícil pra mim! - gritou.
Kash respirou fundo, fechou os olhos e deu o primeiro passo. Sentiu-se bem em estar fazendo algo diferente mas tinha medo. Continuou em seus passos leves como se estivesse cego.
_Olha a frente! Socorro! Sai da frente! Eu perdi o controle da bicicleta!
A bicicleta acertou em cheio Kash, que foi lançado juntamente com a menina que estava em cima da bicicleta.
_Mil desculpas! Eu perdi o controle da bicicleta! Você tá bem? Me diz que sim!
Kash levantou, se limpou, respirou fundo e voltou com passos firmes para casa. Abriu a porta, entrou e fechou delicadamente, deixando a menina no meio da rua, caida e com mil dúvidas.
Dentro de casa, Kash tremia e tentava limpar o que não estava sujo.
_Não sairei mais, não sairei mais - repetia para si mesmo.
Alguém bateu na porta desesperadamente gritando:
_Ei! Ei! Desculpa, eu não quis te machucar. Foi tudo culpa minha...
Kash tentava arrumar tudo mais rápido enquanto a menina batia cada vez mais na porta.
_Ei... Deixa eu te contar um negócio - disse a menina calmamente dessa vez.
Kash caminhou lentamente e destrancou a porta. Percebeu que ela seria sua primeira visita e sorriu internamente. Quando abriu, viu uma menina de morena, de olhos verdes e cabelos cacheados.
_Posso entrar? Me machuquei um pouco e queria lavar antes que infeccione.
Kash não disse nada, mas se afastou para deixá-la entar.
_Nossa. Que casa linda. Muito, muito limpa e ajeitada. Fiquei até com vergonha de entrar aqui. - entusiasmou-se a menina.
Kash deu um sorriso acanhado como agradecimento. Ela se sentou e ficou admirando a casa.
_Meu nome é Esmeralda. Dá pra ver que você é tímido. Senta aqui que vou te contar uma coisa.
Kash foi lentamente e sentou do lado da morena.
_Não adianta ser perfeito por fora se dentro você é uma bagunça.
Kash levou um baque e ficou mais mudo do que era.
_Sua casa pode ser incrivelmente bela, organizada e arrumada, mas de nada adianta se não existe alguém pra bagunçar tudo. Você tem medo de sentir.
Depois dessa fala, Kash e Esmeralda ficaram calados por um tempo. Até que ele disse:
_Você é minha primeira visita.
Era tarde demais. Esmeralda já tinha ido e ele nada tinha feito. A partir daquele dia sua casa ficou menos organizada e a todo momento Kash tentava ultrapassar a porta. Aprendeu que quando o coração bate forte, é preciso dizer o que é para ser dito. Nada fica se você não deixar.
Um coração que se fecha ao novo só permite entrada de coisas usuais, que logo morrem e te deixam fraco. O coração de Kash era como sua casa: vazio e fechado, mas não era nada organizado. Esmeralda fez ele entender que de nada adiantava uma casa perfeita se o miolo era podre, de nada servia beleza se internamente tudo era um labirinto.
O tempo só passa se a gente deixar ele ir.
Esmeralda tentou fazer outra visita a Kash, mas ele havia se mudado. Agora ele vive no coração de várias pessoas, inclusive você. Não deixe de abrir sua porta para ele sair e esbarrar com Esmeraldas da vida.
Se abra para o novo. Ou então Kash vai te cutucar todos os dias.