6 de dez de 2011

Caras e corações crescentes

Ehsan era um menino que gostava de olhar para as pessoas. Ele tinha uma pequena brincadeira aonde ele olhava para cara de um indivíduo e imitava. Ehsan sentia-se sendo a pessoa que estava imitando.
Um dia ele imitou uma mulher com um cigarro na boca. Cansou de ficar com aquela cara porque sentiu-se triste. Mais tarde imitou um homem todo sorridente falando no celular, mas sua boca cansou de ficar toda hora puxada para mostrar os dentes. Nesse mesmo dia ele fez milhares de imitações.
Chegou em casa com a cara do motorista cansado e simpático, alternou para cara de mãe nervosa e foi dormir com cara de irmão com sono. Quando acordou não tinha ninguém em casa, porque era feriado, mas ele não alterou sua rotina. Sempre acordava com a cara da mãe carinhosa e ficava assim até o café da manhã. Mas nesse dia ele não viu ninguém até se ver no espelho.
Ehsan viu sua imagem refletida e pensou: "Hoje acordei com cara de..." Mas não havia uma resposta.
O menino cresceu e esqueceu-se dessa brincadeira ao chegar das suas responsabilidades. A cada dia tornava-se mais ocupado.
Um dia o garoto que se tornara homem viu alguém fazendo caretas para um espelho na rua e na hora lembrou-se de sua brincadeira. Foi pra casa correndo e chegou ao espelho. Estava com cara de Ehsan. Começou a se perguntar de onde vinha esse rosto.
Ele descobriu que a face dele era formada por um pedacinho de cada rosto que havia passado por seus olhos. Descobriu que sua personalidade era reflexo da atitude que as outras pessoas levam e que ele aprendeu a imitar. Revoltado com a situação ele listou todas as características que pôde reunir e depois queimou o papel que tinha escrito com os olhos fechados. Era uma vida nova para ele, um novo Ehsan.
E a partir daquele dia, o que ele pensava todas as manhãs era:
"Se todos nós revessemos nossos princípios e costumes, tudo o que a gente teme sumiria."
Anos depois, a filha de Ehsan chegou a ele e perguntou:
- Paizinho... Se você fosse alguém, quem você seria?
Ele pensou um pouco e riu.
- Eu seria eu mesmo minha filha, mais ninguém.
Ela fez uma carinha de confusão e disse:
- Hoje o Tio na escola me disse que eu tinha que ser alguém quando crescer. Então se eu tenho que ser alguém, porque você me disse que eu tenho que ser eu?
Ehsan pensou um pouco e disse:
- Você tem que achar quem você quer ser aí dentro do seu coraçãozinho. Não tente imitar o que os outros fazem pra ser alguém quando crescer. Papai sabe muito bem o que acontece se fizer isso.
- Então a pessoa que eu vou ser está aqui dentro? - disse ela colocando a mão no coração.
- É! Isso mesmo minha filha.
Ela se afastou e sentou na frente da televisão. Ehsan pegou sua maleta e abriu a porta para sair. Quando ele virou a chave, sentiu um cutucão nas costas.
- Paizinho?
- Oi minha filha.
- Eu descobri quem eu vou ser quando crescer, mas eu não sei qual dos dois eu escolho.
- Como assim?
- Quem mora no meu coração é você e a mamãe, então eu vou ser um de vocês dois!
Ehsan deu um sorriso enorme, deu um beijo na filha e disse:
- Sabe Hillary, eu achava que eu nunca ia ser alguém quando fosse grande. E agora eu sou alguém que está no seu coraçãozinho. Quem sabe você não vira o alguém de mais alguém? Porque o meu você já é!
A filha fez carinha de confusão, abraçou o pai e saiu correndo.
E Ehsan pensou mais uma vez:
"Se todos nós revessemos nossos princípios e costumes, tudo o que a gente teme sumiria."