29 de nov de 2011

A Paz

Newton estava caminhando pela floresta. Ele gostava de ver os pássaros. Os pássaros que eram livres, que podiam voar, mas ao mesmo tempo tinham uma família, uma casa, uma vida, paz. Depois de aproximadamente 30 minutos de caminhada, começou a chover. Newton começou a fazer o caminho de volta mas escorregou e bateu a cabeça, desmaiando.

Quando ele acordou ele viu um rosto alegre e sorridente. Se afastou rapidamente, tomando um susto.
- Onde eu estou?! Quem é você? Como eu cheguei aqui? - disparou Newton.
- Calma criatura, uma pergunta de cada vez. Mas elas só podem ser respondidas na hora certa.
Newton sentou-se na cama em que estava, respirou forte e olhou de novo para aquele rosto feliz.
- Meu nome é Reyne. Eu vi você caído, machucado e molhado e resolvi ajudar.
- Obrigado. Mas agora eu preciso ir, tenho que trabalhar amanhã e preciso descansar um pouco.
Reyne olhou-o sorrindo.
- Desculpas, desculpas. Pode ser sincero e dizer que você não quer ficar na casa de um estranho - disse Reyne rindo.
- É, pode ser isso também.
Newton observou ao seu redor e viu uma casa arrumadinha, limpíssima e bonita.
- Você mora aqui? - questionou Newton.
- É, moro sim. Mas passo mais tempo na floresta. Tem algo de especial na natureza.
- Também acredito nisso.
- Se todo mundo procurasse a solução dos problemas nas coisas simples, e não os tornassem desastres, tudo ia ser mais fácil.
- Mas é difícil fazer as pessoas enxergarem as coisas simples com tanta coisa que se vende hoje. Eu ia na floresta pra procurar isso, mas era uma tarefa árdua com tanto estresse na cabeça.
- Sabia que não é preciso ir na floresta pra encontrar paz e solução para os problemas, Newton?
Newton parou pra analisar como Reyne sabia o seu nome, mas deixou pra lá.
- Não, como se faz isso? - perguntou Newton.
Reyne chegou mais perto e encostou o indicador no peito de Newton.
- Aí. Aí dentro você vai encontrar a maior paz que você já viu. Toda vez que se coração bate é alguém dizendo que te quer bem, que você está vivo. E se você parar só um pouquinho pra dar atenção a si mesmo, a paz chega mais fácil.
Newton colocou a mão no coração e fechou os olhos. Quando abriu estava deitado na floresta, do jeito que havia caído. Levantou-se e olhou para os lados. Quando olhou pra cima viu um pássaro voando. Colocou a mão no coração e sorriu.
Realmente a Paz estava ali dentro.
Mas não é pra todo mundo que Reyne aparece. Ele só aparece pra quem busca. Mas Ele busca a todos.