14 de mar de 2011

Lee

Ninguém conseguia olhar por muito tempo nos olhos de Lee. Eram vastos, negros, profundos e brilhantes. Impermeáveis. Os que se atreviam a fixar um olho no olhar dele, ficavam mudos e com medo. Havia uma coisa que os olhos de Lee faziam as pessoas sentir. Mas houve um que resolveu encarar frente a frente os olhos dele.
- Lee? Bom dia!
Ninguém nunca dava bom dia a Lee, pra evitar os seus olhos, mas nesse dia Cornelia resolveu enfrentá-lo.
- Hum. Quem é? - ele continuou com a cabeça abaixada na mesa.
- É a Cornelia.
- Hum. O que você quer?
- Só queria te dar bom dia, nunca vi ninguém te dando bom dia.
- Bom dia de volta, então. Desculpa a ignorância, mas estou com sono.
- E nem vai olhar pra mim?
- Pra você afastar os olhos como todo mundo faz?
- Não.
Ele levantou a cabeça e os olhos dele estavam como sempre: assustadores. Cornelia teve uma repentina vontade de se virar mas continuou encarando.
 - Incrível, a primeira em muito tempo que conseguiu olhar pra mim.
- Ah, desculpa.
- Porque desculpa? Só me deixa dormir de novo.
Cornelia continuou parada vendo o menino abaixar a cabeça com os cabelos extremamente negros, como jabuticabas, e arrepiados como porco espinho. Ela sentiu vontade de passar a mão nos cabelos brilhantes dele. E foi o que ela fez. Cornelia ficou muito surpresa que Lee não se movia, continuava sentindo as mãos dela em sua cabeça. Era como tocar o intocável, botar a mão no fogo e não se queimar. Depois disso, ela afastou a mão e continuou olhando. Lee levantou a cabeça e a encarou. Ela nunca havia visto os olhos dele daquele jeito. Tão singelos e luminosos que eram como pérolas negras. Cornelia sorriu e Lee a olhou estranhamente.
- Finalmente você descobriu o significado dos meus olhos - falou Lee.
- Descobri, é?
- É, ninguém nunca teve a coragem de olhar diretamente aos meus olhos. Você olhou. Quando nasci minha mãe morreu no parto. Ouvi ela dizendo num sonho que quem conseguisse olhar nos meus olhos sem desviar, era digno de saber o significado.
- E qual é o significado?
- Você não conseguiu descobrir?
Cornelia só balançou a cabeça dizendo que não. Os olhos de Lee pareciam flutuar no seu rosto. Ela olhou mais um pouco e percebeu algo que nunca vira. Ela conseguia se ver nos olhos de Lee. Pareciam dois espelhos imensos e pretos.
- Os seus olhos estão me refletindo.
- Parabéns, descobriu o significado. Às vezes as pessoas tem medo delas mesmas e não conseguem se olhar e só olham os outros. A partir de hoje você vai conseguir se ver melhor Cornelia.
Cornelia pensou um pouco e deu um beijo na testa de Lee que ficou vermelho de vergonha. Abaixou a cabeça de novo num ato de timidez e ficou assim o resto do dia, só levantando a cabeça pra ver se Cornelia estava na sala.
E depois de muito pensar, Cornelia concluiu o que Lee queria dizer:
Somos nossas próprias armas. Temos medo de nós mesmos. Podemos atirar nos outros facilmente, mas pra virar a arma contra nós precisamos nos enxergar primeiro. Mas antes temos que achar um espelho para ver as coisas. E você reflete os outros na procura de um própio espelho.