21 de ago de 2010

Tempo momento

 Todo dia me pergunto se posso
Se posso tentar te encontar
Entre os abismos obscuros da morte
Entre os jardins secretos da sorte
Ou entre as nuvens que cobrem o luar

 Mas quando olho profundamente
Consigo ver que tudo era irreal
Tudo uma ilusão da mente
Uma plantação de bananas, banal
Vendida a preço barato, ilegal

Tento te resgatar em todo pensamento
Todo dia, toda hora, todo momento
Mas você foge entre aqueles ventos
E me deixa esperando na esquina do tempo

Mas basta as memórias buscar
Que você volta com aquele olhar
Uma visão plena sob o luar
O luar que me afeta, que volta a me atacar

E aquela pergunta volta
Será que te verei novamente?
Mas não adianta lutar contra Cronos
O senhor das estacas
Senhor do tempo indecente

Acho que acabo de perceber
Que nos abismos da morte irei te ver
Nos jardins secretos te conhecer
E entre as nuvens que cobrem o luar?
Ah, lá iremos nos deitar

Ao sabor do inodoro vento
Iremos contra o erosivo tempo
Andar sobre a luz prateada do luar
Fique quietinho, porque meu sonho
Acaba de acabar
Acordei, mas você continua lá
No seu reservado lugar

Agradecimentos: Luana Linhalis