17 de ago de 2010

As batidas do relógio denunciam
Não suporto, essas chamas que amaciam
Tentar cegar meus espelhos é uma opção
Mas porque machucá-los se tudo é uma ilusão?

Procuro em meus lençóis um afago
Aconchego, carinho, sedução
Mas eles só me dão abraços
Que já me deleito só de ter em mãos

Quero estar com aqueles
Aqueles só na imaginação
Aqueles que nos sonhos
Aqueles no coração

Voar na mente
Labirinto de serpentes
Que me atacam e apertam
Até cair em outra versão

Talvez seja demente
Ou minha mente delinquente
Em confiar naqueles
Aqueles de antes
Que agora estão
Estão a salvo de mim