1 de jun de 2010

Duas vagas, quatro capachos

1ª PARTE
LOCAL: PREFEITURA
Personagens:
Gari Intuitivo)
Gari Sensitivo
Gari Analítico
Gari Produtor
Chefe da prefeitura


Os quatro garis chegam à sala do contratador, que também despede, todos com medo de
serem mandados embora.
GS: Ai gente, eu to com um frio na barriga! Só de pensar que eu posso ser despedida eu
tremo nas bases!
GA: Vai começar Jurema? Todo mundo já sabe que vem alguma bomba.
GP: É mesmo, agora é só esperar pra ver se tem algum serviço pra gente.
GI: Nossas vassouras são feitas de que mesmo?
O contratador entra na sala e começa a falar:
C: Bom dia meus funcionários! (nesse momento ele dá a mão para cada um deles: o GA
pega na mão dele com nojo, o GP aperta normalmente, o GS aperta a mão dele muito
forte [raiva], e o GI olha pra mão dele, depois olha pra cara e depois aperta
rapidamente)
C: Como vocês sabem, eu tenho algo muito importante pra dizer a vocês.
(todos concentrados e juntos olhando firmemente pra ele)
C: Eu vou ter que... Dar uma vaga de gari-chefe pra dois de vocês
(alívio momentâneo em todos)
GP: E quem vai ser?
C: Vou analisar o desempenho de vocês quatro nos bairros que os chefes serão
destinados. Quem tiver o melhor perfil pro bairro, ganha o cargo. Amanhã começa!
O Contratador sai da sala.
GP: Já vi que vou ganhar, desempenho é comigo mesmo.
GI: Ah, pode parar, você ta se achando muito! Eu vou pensar num jeito de ser mais
eficiente que você.
GS: Ah gente, vai começar a brigar de novo?!
GA: É! Pelo amor de Deus! Vocês sabem que algo organizado sempre é melhor.
GS: Ah! Achei que você ia parar com a briga, e você quer começar de novo? AH!
Amanhã a gente vê quem é melhor e pronto.
GI: Isso aí, amanhã começa.

2ª PARTE
LOCAL: RUA DO BAIRRO SUJO
Todos os personagens atuam.
(clima de ódio e competição e chão cheio de sujeira)

GP: Nossa que sujeira! O povo desse bairro é porco mesmo! Parece um chiqueiro isso!
GA: A gente não tem tempo pra discutir não, vamos trabalhar.
GI: Calma! Primeiro eu tenho que pensar no que eu vou fazer.
GP: Pode pensar a vontade, o problema é seu.
GS: Ai, nem pra ter um cafezinho antes de começar!
Enquanto o produtor limpa a sensitiva tenta puxar conversa durante o serviço:
GS: Você viu ontem no jornal?
GP: Cala a boca e limpa.
GS: Quem manda na minha boca sou eu.
GP: Vou é enfiar lixo nela pra ver se você para quieta.
GS: Vai enfiar lixo na boca da sua mãe!
(enquanto eles estão discutindo o analítico faz montes de sujeira, separando por tipo de
lixo e o intuitivo pensa em um canto).
GP: Vai caçar serviço mulher! Me deixa em paz!
GS: Vou fazer isso mesmo! Mexer com gente ignorante fede igual lixo.
(A Gari intuitiva dá um chilique)
GI: Vamos juntar nossas ideias?
GA: Não sei se gostei disso muito não!
GP: Ah, é uma boa ideia!
GS: Eu num faço nada com esse boca-suja não! (aponta pro produtor)
GA: Eu acho que a gente devia tabelar o tanto de lixo reciclável que a gente recolhe.
GP: Que tabela o que! O bom é a gente limpar tudo de vez! Mistura tudo!
GI: Eu acho que a gente podia fazer um carrinho de mão com três rodas e um lixo
móvel!
GS: Eu não acho nada! Se for pra fazer com esse aí, olha! Nunca!
Os quatro se separam e continuam o serviço.
C: Acabou o tempo. Vou analisar o desempenho de vocês nesse bairro. Amanhã temos
outro, mas primeiro vou dar a vaga desse bairro pra um de vocês.
O contratador pensa.
C: Hum, vou dar essa vaga para... O Márcio (GP).
Márcio pula e fala:
GP: YES! Sabia que ia conseguir essa vaga!
GS: Mas porque logo esse aí ganhou a vaga?
C: Porque pra esse bairro eu queria mais limpeza em menos tempo. Agora vamos
embora que amanhã tem mais um, e um de vocês três vai se tornar o novo gari-chefe.

3ª PARTE
LOCAL: RUA DO BAIRRO BAGUNÇADO
GS: Bem, hoje é um de nós que vai. E vai ter trabalho bom, porque o Márcio já foi.
GA: Vamos trabalhar logo! (se afasta)
GI: Ai que povo apressado! Já querem começar e nem me deixam pensar.
GA: Que bairro desorganizado! Imagina quantas bactérias deve ter nessa lambança!
GI: Lambança me lembra pança. Pança me lembra fome. Fome me lembra que eu estou
com fome. E de que precisamos de um carrinho de três rodas!
(O GA e GS olham pra ela, repreendendo-a)
Eles estavam juntando o lixo em uma lixeira no meio do bairro. Até que a GI, enquanto
tava passando por perto tropeça e derruba tudo.
GS: Ah! Não acredito! Eu fiz isso tudo pra você chutar?! AH! Agora eu vou fazer você
catar com a língua.
GI: Vem aqui e faz.
GS: Não provoca não.
GI: Pra meter a vassoura em você eu não penso duas vezes.
GA: As duas crianças podem parar? Vocês estão concorrendo a uma vaga e ficam
discutindo durante o teste. Que coisa feia. Parece até 4ª série.
GS: Você também?
O GA vira e volta ao serviço. A GI faz um ar de superioridade, se vira, e continua a
pensar com a vassoura na mão (dá uns chiliques e fala algo nada a ver de vez em
quando). A GS continua o serviço olhando pra trás de vez em quando.
C: Acabou o tempo. Agora vou escolher quem vai ficar com a vaga.
Pra esse bairro que quero organização, então eu vou escolher... O Joaquim.
Joaquim (GA) faz cara de correto e dá um sorrisinho.
C: E você Jurema (GS), vai trabalhar como subordinada dele. E a Marina (GI), vai
trabalhar com o Márcio.
GI: No final eu fiquei no mesmo canto. Já sabia que não ia conseguir.
GS: E eu que tinha uma chance de fazer umas compras mais bonitas, alimenta meus
filhos... Perdi ela.
GA: Bem, agora é trabalhar, né?
Os três garis saem e o contratador permanece.
C: No final, sou eu quem ganha mais mesmo. Eles só são meus capachos. (risos)