16 de abr de 2010

Morro

Tynah morrava num morro. Sua vida não era nada fácil de se lidar, com o pai morto, dois irmãos e a mãe, num barraco caindo aos pedaços. Ia pra escola todos os dias, mesmo sendo difícil chegar lá.
Era um dia chuvoso, clima de três dias atrás. A água caia do céu sem cessar. Ela pegou o único guarda chuva disponível na casa e partiu com seus dois irmãos menores, grudados em baixo do pequeno abrigo.
Seu namorado estava esperando ela na porta do colégio. Seus irmãos entraram correndo e dando "tchau, até mais tarde" para a irmã. O namorado continuava olhando os meninos correndo contra a chuva e disse para Tynah:
_ Hoje não vou entrar aí, só vim pra te ver.
_Então eu não vou também! - retrucou animada - Podemos ir lá pra casa fazer o que te prometi. Mamãe foi trabalhar, só volta à noite.
_Então vamos, estava louco por esse dia. - mostrou-se o namorado.
A caminhada de volta foi mais demorada do que a ida porque eles ficaram se paparicando. Subiram a ladeira e iam se preparando mentalmente. Era a primeira vez dela.
Chegaram no barraco, e começaram a tirar as roupas, não se importando com as goteiras. Ele começou a beijar Tynah e desabotoou o seu sutien. Ela começou a passar a mão sobre o corpo dele quando ouviu um tremor. As casas do morro, que era um lixão esquecido, começaram a quebrar, desabar, enquanto o amontoado de lixo descia junto. Tynah pensou em seus irmãos, em sua mãe e começou a discutir com seu namorado:
_ Se a gente tivesse ficado na escola não ia acontecer isso!
_Eu sei garota, agora cala a sua - um pedaço do telhado quebradiço caiu na cabeça do namorado de Tynah.
Ela, sem saber como reagir, começou a gritar, desesperada. O que ela tinha feito? Louca pela sua primeira vez arriscara sua vida e do seu parceiro. Agora era esperar pela morte.
A mãe de Tynah encontrou na volta do emprego só um monte de destroços, lixo e gente chorando e gritando.
_Tynah! Tynah! Eu sei que você não foi a escola e está aí! Responde!
Os gritos da mãe desesperada foram em vão mas ela continuava a caçada. Foi até o suposto local de sua casa e foi tirando os entulhos. Ouvia um pequeno gemido.
_Tynah?! É você! Diz que sim!
_Mãe...
A força da mãe dela foi tão grande que conseguiu, após retirar os pedaços de casa entulhada, chegar em sua filha. Puxou ela dos entulhos e disse:
_Ai minha filha, você está viva, que bom que você não foi.
_Mãe...
Tynah morreu nos braços da mãe. A culpa não se sabe de quem era. Do governo e das pessoas que aceitaram construir lares em um morro prestes a explodir e desabar ou culpa de Tynah que não foi a escola.
O que nós temos a fazer, é pensar antes de agir.